Província Portuguesa Companhia de Jesus
A Companhia de Jesus é um instituto religioso da Igreja Católica.
Fundada por Sto. Inácio de Loiola em 1540.
Click to Pray
Jesuitas

Tema do Ano

Em Tudo Obrigado


A última meditação dos Exercícios Espirituais de Sto. Inácio é a Contemplação para alcançar Amor [EE 231]. Uma oração que sublinha o agradecimento. Para Sto. Inácio, o verdadeiro amor nasce de um obrigado sincero, profundamente sentido: “o conhecimento interno de tanto bem recebido, para que eu, reconhecendo-o inteiramente …”  Um agradecimento que não se limita a um puro sentimento interno, mas que me mobiliza: “para que eu, reconhecendo-o inteiramente, possa, em tudo amar e servir a sua divina majestade.” 


Este obrigado quer devolver “tanto bem recebido” à Fonte da qual sente que tudo procede, e por isso, põe em andamento uma dinâmica de “agradecimento →compromisso →agradecimento →compromisso…” Mas, para ir à Fonte, o agradecimento passa necessariamente pelas pessoas, por muita gente de quem recebemos tanto e a quem queremos também agradecer. 


Esta relação entre agradecer ↔ pessoas  ↔ compromisso expressamo-la num tríplice círculo (ver figura) cujo movimento parte do centro, passa pelas pessoas e chega ao compromisso; volta às pessoas e de novo ao agradecimento. Uma dinâmica contínua, tal como o batimento do nosso coração: 


  1. OBRIGADO.
    • Que não consiste só em saber dizer “obrigado” mas em agradecer, em viver agradecido. Algo que nasce de saber-se amado, de sentir-se terreno sagrado, um tesouro…
    • Agradecer Àquele que é a Fonte de todo o dom, de toda a bênção. Agradecer a Deus por todos os benefícios da “criação, redenção e dons particulares” [EE 234]
    • Relacionar o gosto com o agradecimento: aprender a saborear, a sentir e gostar os momentos. Aprender a admirar-se, a maravilhar-se com a realidade.
    • Obrigado por ‘tudo’:
      • Não só por aquilo que é claramente bom, excecional e intenso,
      • Não nasce só por comparação com os que estão pior,  
      • Não valoriza só o que reforça a minha identidade, o meu eu, o meu status…
      • Os ‘falsos agradecimentos’ fazem das situações positivas que vivemos ou das experiencias agradáveis um fim em si mesmas. Fica-se aí, sem avançar mais.
      • V. Procuremos o agradecimento que é dinâmico, que nos leva a metas mais ‘altas'. Obrigado por tudo o que nos sustenta, por aquilo que nos faz crescer, mesmo que nos contrarie. Obrigado pelos próprios limites que nos fazem únicos, ainda que nos custe aceitá-los. Obrigado até pela derrota, quando nos aproxima dos que estão pior.

  2. PESSOAS:
    • O agradecimento passa especialmente pelas pessoas, por aprender a redescobri-las.
    • Descobrir o testemunho de tantas pessoas agradecidas que ajudaram a mudar o mundo.
    • Trabalhar os sentidos da visão e da escuta: que os sentidos nos ajudem a ser sensíveis às pessoas que nos rodeiam, às suas situações, aos seus testemunhos…

  3. COMPROMISSO:
    • Que não nasce do voluntarismo; é uma ação que nasce do agradecimento. Um agradecimento que não pode ficar escondido.
    • Que não se compromete só para sentir-se bem. Temos que mudar a ordem: em vez de partir da ação e ficar no sentir-se bem; começar pelo agradecimento para levar à entrega generosa. Um compromisso que move a vontade; que não se fica só no terreno dos sentimentos; que conhece e valoriza os próprios dons (talentos) e se põe a caminho.
    • Ampliar a vivência do amor, para que não fique reduzido à relação a dois. Mostrar o extraordinário do amor, ligado ao compromisso e ao serviço às pessoas.
    • Trabalhar os sentidos da proximidade: o olfato, que sabe detetar, ‘cheirar’ as situações que pedem compromisso, e o tato que sabe aproximar-se, tocar e deixar-se afetar pelas pessoas que estão nessas situações.